Nightwalker

Alice Braga reencarna, a tia nesse vestido prata, refletindo esplendorosamente as primeiras luzes do dia raiante. A coreô final é bacana. E a música é linda!

P.S: Por motivos alheios à vontade, o vídeo nao arreda do formato HTML, daí clique aqui pra ver e ouvir.

Anúncios

Hasta la vista, 2011

Uma amiga refletiu assim sobre a passagem do ano. Achei um ponto de vista muito sereno de algo que muitas vezes é visto como um etalelê desenfreado, sem profundidade:

“No entiendo porque celebrar “New year”. Porque celebrar algo que aun no sabemos como va a ser? Yo voy a celebrar la salida del 2011, que para muchos no dejara buenos recuerdos y que para otros, con un poco de suerte, estaran deseando tener uno mejor todavia.
Voy a celebrar todas las promesas que he hecho y que he cumplido, los pequeños logros que me hicieron crescer como ser humano, las personas que he conseguido mantener a mi lado y los nuevos amigos que he encontrado.
Las promesas que no he cumplido, la ignorancia que no he superado y los amigos que no conquiste seran tareas pendientes para 2012, a ver si dentro de un año tendre algo que celebrar…”

Que a gente se despeça de 2012 do jeito que ele merecer.

Em 10…9…8…

E agora, aquele momento balance de 2011.

Alguém aí marcou um v em todos os itens da lista do ano passado? Pois quem conseguiu transformar uma ou duas, ou várias coisinhas, nos hábitos, no cotidiano, no trabalho, no amor, na mente, na saúde e no coração, os meus muito sinceros parabéns, que força de vontade é tudo nessa vida, que pode ser bem lôca com a gente, mas que sempre vale a pena. Always.

O momento é de agradecer o aprendizado, as alegrias, o meio-termo e as tristezas, dar aquele abraço apertado nas pessoas amadas, e deixar passagem pra 2012 (a.k.a. o Fim do Mundo, akakakaka!) chegar com toda a energia cósmica que um novo ciclo inevitavelmente carrega consigo. Evoé!

Pode vir que eu tô pronta, 2012. Partiu?

Música de montar

“Música para aprender de memória nº 1”

Ni fu, ni fa

Fi

Pero yo, fo

¿Y fe?

Fe en fo

Cambiando los fa, fe, fi, fo, fu se crean músicas para aprender de memória nº 2,3,4,5,6,7,8,9,10 etc.

Na última parte dei uma adaptada, mas é de Juan Hidalgo (isso é um link apesar de não estar azulzinho), 1965.

Poema exposto no novo acervo do Museo Reina Sofía de Madrid, “De la revuelta a la modernidad (1962-1982).